Diagnóstico

a Oswald de Andrade

Agilberto Calaça

Os teus grandes olhos de espanto
como a perscrutar o Incognoscível

Os teus grandes olhos de ternura
ternura estupefata dos amores incondicionais

Os teus grandes olhos exóticos
que fariam a riqueza da lira de um poeta italiano

Ah, minha amiga, os teus grandes olhos eróticos
de promessas indizíveis revelam – pobre de ti!

uma grave patologia tiroidiana.

 

Dos ardis do tempo

Lara de Lemos


De hora em hora cresce um não
no precário coração.

O corpo busca um jeito
de acomodar-se no leito.

E ali ficar esquecido
do compromisso assumido.

Adia todos os gestos
para a próxima semana

e assim permanece infenso
aos atropelos do dia.

No quarto malsep ercebe
no escuro do cortinado

um corpo, em puro silêncio,
no esquife acolchoado.

 

Sonata

Aclyse de Mattos


Periquitos – violinos
com seus gritos finos.

Papagaios – violas
com currupacos e curriolas.

Araras: violoncelos,
com sons e sóis amarelos

Os contrabaixos – tucanos
com as bicancas tocando.

Está formada a orquestra
sinfônica da floresta
que vem tocar na figueira
junto à cerca do curral.

Em três versões: matinal,
depois do almoço
e pôr-do-sol no quintal.


Saída

Enzo Potel Quaglio

Fechei a porta da cozinha
e deixei as janelas abertas
para ventilar a louça
que seca sobre a pia
e para amadurecer as mangas
e bananas mais rapidamente.

Que quem quer que entre
seja muito mais do que feliz.
Não que eu não tenha sido,
mas a idéia de ficar aqui pra sempre
me enlouqueceu
e preferi contar anési entre os fúteis
que sabem o que são
do que me escravizar entre um grupo
que se diz humilde e trabalhador
mas que afia as facas
quando gente nova acende
uma boca do fogão.

Quando eu deixei você entrar
não era pra mexer em tudo!

Bento Nascimento

 
 
 
poeta da vez
poeta da vez
editora da palavra